Vibrador Jack Rabbit White

  •  
  •  
  •  
  •  

Poderes

 

A edição especial do pioneiro Jack Rabbit é linda: branquinha, sem saliências e super elegante, é um belo convite para você dar um upgrade na sua masturbação. E que upgrade!


 

Desvantagens

 

O compartimento de pilhas poderia ser mais simples, pois toda vez que você vai trocá-las precisa retirar uma pecinha inconveniente lá de dentro. No mais, o produto é maravilhoso!



Conclusão

 

Apesar de esperar que as orelhinhas funcionassem como no outro Rabbit testado, não fiquei frustrada por ver que esse Rabbit funciona de maneira mais discreta. O barulho que seus motores provocam é um pouco inconveniente, mas nada que as funcionalidades dessa máquina do prazer não compensem direitinho.

 

 

Testando...

 

Cada teste gera muita história para contar. E eu ainda estou tentando entender por que certas coisas só acontecem comigo...

 

O teste do Jack Rabbit White, por exemplo, foi todo especial. Primeiro porque eu já conheço bem o Eve´s Rabbit, que me deixou tão maravilhada em nossos encontros inesquecíveis, mas foi devidamente aposentado depois que sua superfície começou a ficar danificada - o material com que é feito (Thermoplastic Resin, ou TPR, um tipo de plástico livre de látex e dos temidos ftalatos) tem a tendência de ficar “melado” e de aderir pelinhos com o passar do tempo e à medida que você vai usando o produto, principalmente se você optar por guardá-lo em uma sacola de pano, como eu fiz. Por isso, e especialmente por achar que a higienização do produto passou a não ser 100% segura, preferi guardá-lo apenas na memória e substituí-lo por um Rabbit mais moderno, mais bonito, muito mais elegante, e mais barulhento.

 

Vibrador Eve´s RabbitSim, o Jack Rabbit é um deleite para os olhos: high tech, com luzes azuis que acendem e piscam enquanto você troca os modos de rotação e vibração, ele prova que os brinquedos eróticos são produzidos com cuidado nos mínimos detalhes. E não por acaso conseguem chamar a atenção de homens e mulheres que buscam um acessório para seus momentos de prazer.

 

Porém, mesmo mais bonito do que o Eve´s Rabbit (foto), o Jack Rabbit White pecou por um excesso. Excesso de ruído! Logo que apertei o botão ON vi que esse definitivamente não é um produto bom para você usar no seu quarto enquanto seus pais, por exemplo, dormem tranquilamente no quarto ao lado. Sei que parece exagero imaginar que o barulho do motor de um vibrador possa ultrapassar paredes, mas como elas costumam ter ouvidos, aconselho que você use o produto sempre que estiver sozinha (ou muito bem acompanhada na brincadeira, é claro). Do contrário, melhor escolher outro brinquedinho para deixar sua madrugada mais feliz.

 

 

Apesar de você

 

Mesmo um tanto irritante, o barulho do Jack Rabbit não é motivo para broxar sua masturbação. Para não se importunar com o ranger dos motores, ligue uma musiquinha, concentre-se na sua performance manual, escolha uma posição bem confortável e prepare-se para embarcar em uma viagem orgástica com final sempre melhor do que o esperado. ]

 

A não ser que você se esqueça de um pequeno detalhe, como aconteceu comigo. Lembra-se que no começo do texto eu disse que esse teste foi especial? Pois bem, se primeiro eu me deparei com a ansiedade evidente para comprovar se o Jack Rabbit, o Rabbit original, poderia ser melhor do que o surpreendente Eve´s Rabbit, depois eu tive que superar uma falha técnica não prevista no roteiro. Desde que comecei a testar produtos eróticos que não precisam de pilha, mas sim de baterias ou do carregamento na tomada ou no computador, perdi o costume de ter pilhas novinhas em folha sempre por perto.

 

Resultado: no primeiro teste do Jack Rabbit White fiquei um tanto frustrada. E nem consegui conferir se esse modelo do vibrador mais famoso do mundo era melhor até do que o Pênis Rotativo Rabbit Crystal, testado pela Nanda Laon (clique aqui para ver a avaliação dela sobre o produto, e aproveite para mandar também a sua crítica através deste formulário). 

 

 

Segunda chance

 

Mas como errar é humano e persistir no erro é burrice, lá fui eu para o segundo teste munida de pilhas recém saídas da embalagem. Adianto que a segunda tentativa foi muito bem sucedida. Contudo, não poderia deixar de relatar o que acontece quando você confia nas pilhas e elas mostram pouca força de vontade para satisfazer seus desejos mais íntimos...

 

Com as pilhas fraquinhas, a parte do Rabbit que serve para a penetração se movimentava com certo sacrifício, e as orelhinhas pareciam vibrar de má vontade. Durante a penetração mesmo, o motor quase chegou a parar, e depois o brinquedo não ligava de jeito algum!

 

Achei até que pudesse ter danificado algo no mecanismo do vibrador, mas por sorte ele está inteirinho, quase novinho em folha. Apesar disso, o primeiro teste foi mesmo um fracasso.

 

 

Pilhas para que te quero

 

Dimensões Jack RabbitJá no segundo as coisas funcionaram de maneira bem diferente. Preparada para entrar no meu quarto e viver as maravilhas que só um Rabbit sabe fazer por uma mulher, verifiquei que o brinquedo estava com carga máxima e podia girar com muita potência! Inclusive quando inverti a rotação (ele pode girar tanto no sentido horário, quanto no anti-horário), o Rabbit demonstrou que desta vez estava preparado para atender as minhas expectativas.

 

Diferente do Eve´s Rabbit, o Jack Rabbit White gira de maneira estranha, parecendo se mover por dentro mesmo, em uma parte oculta. Você vai ver que a rotação forma ondas na superfície, e é bem mais suave. Já o coelhinho funciona como no Eve´s e tem três modos de vibração (médio, muito forte e intermitente).

 

Sei que nenhum vibrador é capaz de substituir um homem, como bem me aconselhou Lu Pompoar, mas não consigo deixar de me encantar por esse brinquedo toda vez que passo alguns minutos ao lado dele, ou melhor, com ele desafiando as leis da física e provando que em certos casos dois corpos podem sim ocupar o mesmo espaço.

 

 

Promessa cumprida

 

Sabe aquela sensação de tontura, quando as pernas ficam bambas, o coração bate mais forte e o mundo parece escapar entre os dedos? Parece que os sentidos do nosso corpo ficam totalmente confusos, e nossa mente não sabe bem quem somos, para onde vamos e o quê, afinal, viemos fazer neste planeta; aí você se lembra que as paixões arrebatadoras começam exatamente assim, com um calor que parece percorrer nossos membros por dentro da pele; e se lembra também que cruzar os olhares com quem se gosta não dá uma sensação esquisita – e bota esquisito nisso! – de choque e descontrole total dos movimentos do nosso corpo; e então se dá conta de que você não está necessariamente apaixonada, mas sim vivenciando mais um orgasmo muito bem-vindo! Foi assim que terminou meu teste, com a deliciosa sensação de missão cumprida, feliz por descobrir mais um brinquedo erótico que merece um lugar na estante das mulheres.

 

 

Apetrechos interessantes

 

Camisinha

Na primeira tentativa de experimentar o Jack Rabbit White, há algumas semanas, meu inconsciente parecia não estar a fim de brincadeiras sexuais. Mesmo me empenhando em testar as funcionalidades de um Rabbit sem pilhas ultra potentes, minha amiga não respondeu... Foi assim que decidi variar um pouco os testes e abri mão de um bom lubrificante, avaliado junto com o vibrador: o super eficiente Extase Sensuel – leia aqui a crítica sobre o produto.

 

Da segunda vez, sentada na cama com os pés apoiados no criado mudo, fiz a estimulação da vulva circulando a ponta da parte fálica do produto para que meu corpo respondesse aos preparativos para a masturbação. Porém, em vez de encarar o Rabbit livre de qualquer artifício, dessa vez resolvi usar uma camisinha – inclusive para acabar com minhas dúvidas a respeito da praticidade e da eficácia de um preservativo combinado com um produto erótico. E justamente a camisinha deve ter ajudado a me excitar, porque ela já vem lubrificada, fazendo com que o Rabbit deslizasse realmente com muito mais facilidade pelo canal vaginal. Se eu tinha dúvidas, todo o meu preconceito em utilizar o preservativo também durante a masturbação caiu por terra. Além de evitar a contaminação por fungos e bactérias que inevitavelmente acabam povoando a superfície dos brinquedos eróticos, a camisinha evita a troca de fluídos com os materiais quase sempre porosos com que são fabricados os produtos.

 

Livre do medo de causar danos à minha saúde, aproveitei melhor o momento e me senti mais segura para manter a higienização do meu vibrador em dia. Assim posso utilizá-lo sempre que quiser, cuidando para lavar todas as partes do produto com água corrente e sabonete neutro, prestando atenção principalmente nas saliências que os designers insistem em incluir na elaboração de muitos modelos de produtos eróticos.

  •  
  •  
  •  
  •  
comments powered by Disqus